sexta-feira, 3 de outubro de 2014

13/06/2013 - 8 dia - Calzadilla de Los Cueza a León

Mapa de Altimetria:



Locais visitados:

394 km - Lédigos - Igreja de Santiago

396 km - Terradillos de los Templários - Igreja de San Pedro

Provincia de León

410 km - Sahagún - Igreja de San Tirso, Arco de San Benito pertence as ruínas do Monastério dos Santos Facundo e Primitivos de 872. Igreja de San Lorenzo, La Trinidade, San Juan de Sahagun, Santuario de la Virgem Peregrina, museu das Madres Beneditinas. Puente Cano sobre o rio Cea.

420 km - Bercianos del Camino 

427 km - El Burgo Ranero 

440 km - Reliegos - ruinas de vinicula antigas e uma igreja dedicada a San Cornélio e San Cipriano. 

446 km - Mansilla de Las Mulas

452 - Puente Villarente 

468 León  
  • Catedral de León é quase que obrigatório - um dos marcos do estilo gótico, com seus famosos vitrais.
  •  “Capela Sixtina do românico”, com belíssimos afrescos do século XII, no museu da Basílica de San Isidoro
  • Casco antigo, visitar as antigas muralhas com suas portas monumentais, 
  • Palácio de Guzmanes
  • A casa de Botinez (do arquiteto Gaudi)
  • O casarão de los Quinonez
  • Igreja de Santa Maria
  • Plaza Mayor
  • Museu de Leon
Diário de bike:

Hoje acordo disposta, afinal, o grande dia está chegando! Se tudo ocorrer bem, chegaremos a León ainda hoje e amanhã encontrei meu grande amor! Por isso, levanto antes de minha amiga e começo a organizar minhas coisas; deixo ela descansar mais um pouco. Quando ela acorda, e vê que já estou em pé, dá aquele pulo. Digo a ela que tenha calma... não tenho pressa... ela segue para o banheiro, enquanto isso, guardo o saco de dormir dela. Aqui não tem um lugar para se tomar café, por isso, vamos até o bar, que jantamos ontem a noite. Dividimos um chocolate quente com um pacote de bolacha, aliás, nosso 'café' foi dividido inclusive com nosso mais novo amigo, aqui do bar.



O casal, donos do bar, são muito simpáticos. Tânia é amiga de 'Neném', dono do albergue, e ele a está ensinando falar português. Por isso, ela me pede para conversar um pouco com ela, assim, tem a possibilidade de treinar. 

Partimos umas 7:30h para nossas próximas aventuras. Nossa meta é pedalar mais de 80 km, por isso, decidimos seguir pela carreteira. Hoje há uma vantagem pois praticamente todas as vilas e cidades são paralelas a N-120, estrada por onde seguimos. Desta forma, não perderemos muito do camiño. Conforme vemos a placa de algum lugar, entramos para visitar. A primeira cidade pela qual passamos foi 'Terradillos de Templários'. Paramos para fazer algumas fotos e depois seguimos. 






Após esta foto, volto distraída para a carreteira. Há uma grande descida, onde faço questão de soltar os freios para aproveitar o embalo... somente quando termino, olho para trás, e percebo que minha amiga não está aqui. Sinto um frio na barriga... será que aconteceu alguma coisa? Paro, espero um pouco mas ela não aparece. Por isso, subo novamente até a cidade templária a fim de procurá-la. Quando chego, ando por todas as ruas e nada... Fico ainda mais preocupada. Esta cidade é, para variar, mais uma daquelas que não há ninguém. De repente, surgem dois ciclistas entrando na cidade. Pergunto a eles se, por um acaso, viram uma moça loira, de bike. Mas eles balançam a cabeça negativamente... continuo por ali... de repente, um dos ciclistas que acabo de ver, volta e me chama. Sigo a ele que me diz ter visto minha amiga na rua de trás, também me procurando. Quando nos reencontramos, sinto-me como se achasse um tesouro perdido! Dou uma risadinha e pergunto: 'You can stop to play, now?!?' (Você pode parar de brincar, agora?) Rimos aliviadas da situação. Ela me disse que, quando não me viu, achou que eu tivesse ido para o camiño (trilha). Por isso, se dirigiu até lá. Quando não me encontrou, voltou para a cidade... Continuamos nos comportando como uma boa equipe e tudo funciona muito bem pra nós! Fico feliz com isso.

Em seguida, voltamos para a 'carreteira' e vejo uma placa sinalizando nossos próximos objetivos. 


Olha a frase de incentivo novamente! Agora, Claudia já sabe o que é e como se pronuncia, por isso, assim que vê começa a dizer: 'Animooo Claudia'... somos só risadas.


Conforme é possível observar na foto acima, à partir de agora, o camiño segue paralelo a carreteira. Isso faz com que não me sinta culpada, achando que estamos 'perdendo' algo. 

Passamos para uma nova província, de León.



Logo chegamos em Sahagún e percebo que já temos metade do caminho realizado! A cidade possui muitos pontos históricos e turísticos para se visitar. Acabo tendo uma ideia... penso que um dia, quando já for aposentada, talvez eu volte a fazer o caminho sem a menor pressa, só para poder fazer tudo quando e como eu quiser, no tempo que for necessário. Comento isso com Claudia que sorri e promete vir comigo! Fazemos algumas fotos e seguimos. 




Queremos um carimbo daqui, por isso, vamos procurar o albergue, que está fechado. Acho o máximo a campainha do lugar e faço uma foto. Percebemos que a porta está apenas encostada, por isso, entramos em silêncio e, como duas 'ladras', carimbamos nossas credenciais e partimos... mais risadas... 



Entre uma rua e outra, olha quem acabamos por reencontrar! Nossos dois amigos Belgas, de ontem. Desta vez eu faço uma foto deles. 


Após a foto, nos despedimos novamente e continuamos. Logo a frente, eles estão parados em um bar, comendo algo e Claudia sugere que façamos o mesmo. Estamos em Bercianos Del Real Camino. Percebo, somente agora, que o ciclista Belga (mais alto), parece ter gostado muito de minha amiga... os vejo trocando telefone, email, facebook e, depois, nos despedimos novamente e seguimos todos. É claro que logo estarão longe de nós duas, afinal, eles estão com bike speed e pedalam muito. 



O camiño fica meio cansativo. Toda vez que nos aproximamos de grandes cidades a paisagem muda e começam aparecer muitas construções, grandes rodovias fazendo barulho... enfim, não é muito bom. Para nós, ciclistas, até que não é tão ruim. Nesta reta de asfalto, conseguíamos fazer uma média de 20 km/h. Em compensação, para os pobres peregrinos, deve ser um verdadeiro 'porre'. Por isso, neste momento, quando passávamos por um peregrino e dizíamos: "Buen Camino", a resposta soava mais como um resmungo, praticamente incompreensível. Quando nos afastávamos um pouco, eu perguntava a Claudia: "O que ele respondeu? Acho que ele te 'Xingou'..." Por isso, a Clau me disse: "Não vou mais dizer Buen Camiño! A partir de agora eu direi: 'Hey, you already know...' ( Ei! você já sabe...)" ríamos muito com isso, pois, enquanto eu dizia: "Buen Camiño", ela dizia baixinho, só para eu ouvir: 'Hey, you already know...' Para completar ainda fazia umas caretas ótimas! Salvamos esta parte do camiño com nossas brincadeiras. 

Segue algumas fotos de lugares que passamos:










Neste momento, sentimos algumas gotas de chuva. Por isso, aproveitamos que havia um ponto de apoio ao peregrino e entramos, para colocar nossas capas de chuva. 





Dentro deste estabelecimento, encontrei uma mensagem que acho muito oportuna! Acho que a essência peregrina deve ser exatamente esta:
'Não esperes mais, não esperes nada e serás feliz com o que te der'....



Na sequência, chegamos a uma praça com um monumento histórico do camiño, dos peregrinos descansando!



Seguimos pelo pórtico da cidade a fim de desbravar as próximas etapas.



Depois disso, passamos por Villamoros de Mansilla, Puente Villarente, Sanfelismo, Arcahueja mas não havia grandes coisas para se fotografar.






Mais um ninho de cegonha.



Chegamos a León bem cedo, acho que eram umas 15h. O tempo mudou bastante, por isso, agora tínhamos chuva e frio. Estávamos famintas e fomos procurar um albergue. A sinalização por aqui é ruim... acabamos nos perdendo e tivemos que pedir ajuda, para algumas pessoas. Com as orientações recebidas, chegamos no 'Albergue do Agenor'. Aqui, o quarto coletivo, custava E$ 10,00, com direito a lavar e secar as roupas, usar o wi fi, sem qualquer custo adicional. Soube mais tarde que aqui é um alojamento de estudante, tipo república. 



A parte boa era que o banheiro ficava dentro do quarto, algo incomum. Assim que chegamos, Claudia abriu uma latinha de atum e começou a devorar com os pães do jantar de ontem. Não perco tempo e ligo para o Filipe, a fim de avisá-lo que estava tudo bem e já encontrava-me instalada próximo a rodoviária (pois amanhã ele chegará). Claudia pega seu mapa e olha atentamente enquanto come. Depois, sai do quarto, volta e me diz: "A partir de amanhã você terá sua melhor companhia. Eu desci para avisar ao senhor do albergue que não ficarei... ainda está cedo e vou andar um pouco mais. Boa sorte com o Filipe amanhã, minha amiga, e Buen Camiño." Fico travada em sua frente. Não estava pronta para nossa despedida agora. No fundo, eu sabia que isso ia acontecer, mas achei que seria amanhã cedo, pois a previsão de Filipe chegar era só à tarde e, com certeza, ela partiria antes disso. Abracei a ela e inevitavelmente as lágrimas começaram a cair. Esqueci-me completamente do pouco inglês que sabia e, por isso, procurei meu tablet para escrever o que gostaria de dizê-la, utilizando um tradutor. Entrego em suas mãos, para que ela pudesse ler. Dizia o seguinte: "Você foi a melhor coisa que o caminho me deu de presente! Tenho certeza que não teria sido tão maravilhoso sem você... agradecerei a Deus, o resto dos meus dias, por ter colocado você em meu camiño". Ela me olha emocionada e me abraça novamente. Ajudo ela a pegar suas coisas, descemos e tiro a última foto da minha amiga partindo... 


Fiquei um bom tempo parada lá fora, olhando, perdida sem saber o que faria agora, de novo, sozinha... Respiro fundo, fecho os olhos e digo a mim mesma: 'Se consegui passar pelo Alto do Perdón, sozinha, pedalar por quase 200 km com os pneus vazios e chegar até aqui, consigo continuar por mais 24 horas sozinha, sem 'deixar a peteca cair'! Subo para o quarto, tomo um banho quente e saio, para explorar a cidade. Quando chego lá fora, tenho outra ideia. Acabo de ultrapassar a metade do caminho e preciso que minha bike continue firme e forte! Depois de tanto barro, ela está precisando ser lubrificada. Por isso, decido encontrar uma loja para fazer uma pequena revisão. Encontro uma, a poucos quarteirões dali, e prometem-me entregar até às 18h. Olho no relógio, ainda são 16h. Aqui é o paraíso dos monumentos, por isso, vou para o centro da cidade e faço muitas fotos. 









Uma pausa para um sorvete de iogurte com kiwi. 


Ao chegar na parte central, vejo tudo exatamente conforme havia lido na descrição daquele livro. É um lugar muito bonito... Espero que Claudia possa ter passado por aqui, para fazer algumas fotos.



Estou cansada e quero poupar meu joelho, que está meio dolorido. Por isso, quando vejo um 'bike táxi' não penso duas vezes... alugo e vou passear, mas agora estou sentada sem fazer qualquer esforço.





Este monumento é simplesmente divino! Trata-se do 'Hospital de San Marcos', um antigo mosteiro que foi transformado em um hotel de luxo. Acho que no livro que li, o rapaz ficou hospedado por aqui. 









Ao final do passeio, ele me pergunta onde quero ficar... peço para que ele me deixe no 'El Corte Inglés', uma loja de departamentos imensa. Acabo de ter uma ideia que, se funcionar, será ótimo para mim!


Assim que entro, percebo como estou mal vestida e isso fica evidente na forma como as pessoas me olham... é engraçado que o camiño faz com que percamos rapidamente a 'vaidade' e só nos apercebemos disso quando 'voltamos' para o mundo real, de pessoas 'normais'. Fingindo que não me importo com isso, vou até o departamento de computadores e peço que me deixem descarregar as fotos da máquina em meu HD. O espírito peregrino reina aqui e o rapaz me permite fazer isso. Assim que concluo, agradeço imensamente e vou buscar a bike. Volto para o albergue morrendo de fome e descubro que aqui tem um jantar por E$ 5,00... é uma refeição bem simples, mas só de não precisar cozinhar e por 'este' preço, agradeço imensamente! 


Depois, subo para o quarto e vou dormir acompanhada de uma coreana que, por motivos óbvios, não conversamos. Amanhã reencontrarei meu noivo. Nem acredito, depois de 6 meses, o verei novamente! Estou morrendo de saudades, não vejo a hora!


Obrigada vida...

2 comentários:

  1. Eu estava indo meu amor grande, da minha vida!!!
    Estava dando tudo para chegar logo em você <3 <3
    Me imaginava o tempo todo como seria nosso reencontro, mas como sempre, me dizia:
    "... no final tudo dá certo para a gente..."
    Até já meu amor!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia! E foi mesmo, deu tudo certo! Te amo

      Excluir